Caminhões se alistam no exército

Como sabemos, a primeira metade da década de 1940 foi dominada pela Segunda Guerra Mundial. A produção de veículos da Volvo para o setor privado caiu drasticamente, mas as vendas de veículos "cross country" avançados para o Exército Sueco mais do que compensaram a falta de clientes particulares.

A experiência de desenvolver veículos militares "cross country" resultaria em excelentes benefícios de longo prazo para o projeto e a produção de outras formas de veículos para terrenos acidentados, usados em áreas como a da construção. No final dos anos 1940, a produção de veículos antiquados anteriores à Guerra aumentou muito.

Agora, pegue seu capacete e conheça melhor os caminhões da Volvo da década de 40.

 

Caminhão Volvo LV29C-V

L29C e V

Em meados dos anos 1940, surgiu uma tendência clara de uso de motores a diesel nos caminhões de carga pesada. Eles eram uma novidade para a Volvo, que estava concentrada no desenvolvimento dos motores Hesselman, cujo custo era menor que o dos motores a diesel.

O primeiro caminhão de carga pesada a diesel por encomenda
Hoje, talvez seja necessário enfatizar que foram poucos os caminhões Volvo de carga pesada fabricados até 1945. A maioria dos caminhões Volvo era de carga leve e média, fabricada com bom lucro (que ajudava a financiar a produção de carros futuristas da Volvo, que não gerou lucros até o início dos anos 1950).

A série de caminhões L29 era extremamente reforçada e potente, mas foi produzida em pequenas quantidades. Era natural utilizar essa série como base quando o primeiro caminhão potente de carga pesada a diesel foi apresentado em 1946, inicialmente muito em resposta às demandas da National Swedish Road Administration (Departamento Nacional de Administração Rodoviária), que precisava de um veículo bastante potente, capaz de remover neve no intenso inverno sueco, além de ser um veículo básico para a construção de estradas (no período pós-guerra, houve uma grande renovação da malha rodoviária do país).

Com base na simplicidade e eficiência
O projeto dos veículos L29C/V (C=civil, V='veículo do Departamento Rodoviário', ou seja, caminhões para uso da Administração Rodoviária) era simples e eficiente. Os caminhões de carga pesada L29 existentes foram aperfeiçoados, reforçados e ganharam um capô ainda mais longo para alojar o grande e potente motor Volvo a diesel. Inicialmente, eram motores de pré-combustão (mas, na última parte do período de produção dessa série, eles foram substituídos pelo moderno motor de injeção direta 'VDF').

O LV29 C/V, que foi um meio-termo realmente bem-sucedido, foi substituído em 1951 pelo L39 Titan. Com visual mais moderno, ele foi amplamente baseado nos componentes do L29 C/V, pelo menos nos primeiros anos.

Sem direção hidráulica, dirigir um L29 C/V não era fácil e, naquela época, os motoristas de caminhão precisavam ter enorme força física.

Caminhão Volvo LV11

LV11

Logo os clientes aceitaram e passaram a adorar o projeto dos caminhões 'Sharpnose', pois era funcional e adequado à tendência do design da época.

Quando, em 1940, uma versão um pouco mais pesada do caminhão Sharpnose foi desenvolvida como sucessora do LV79, era natural usar um projeto existente e não o novo no caminhão moderno, mais leve, especialmente porque o LV79 tinha um design idêntico ao dos caminhões LV76/LV78. Esse foi substituído em 1938 e 1939 pelos caminhões "Sharpnose".

A ponte entre a carga leve e a carga pesada
A série de caminhões LV11 fez a ponte entre os caminhões Volvo de carga leve e os sólidos caminhões Volvo de carga pesada. Na verdade, o chassi dos veículos LV11 era muito parecido com o dos caminhões mais pesados da família Volvo, e os componentes do trem de força (todos produzidos na Volvo, claro) eram um pouco antiquados, mas tinham sido extensivamente testados, utilizados por vários anos, por exemplo, na série de caminhões LV8. De certa forma, essa também foi substituída pela série LV11.

Apesar do peso bruto (oficial) do LV11 ser um tanto baixo, muitas fotos dos anos 1940 mostram a utilização dessa série de veículos em aplicações pesadas, como na construção, onde os componentes do chassi, como a estrutura, a suspensão e os eixos, eram submetidos a grande tensão, especialmente se considerarmos as sobrecargas comuns naquela época.

Um caminhão sueco padrão
O LV11 tornou-se o padrão de caminhão sueco (poucos foram exportados devido ao design rude e o preço final relativamente alto em comparação com os concorrentes estrangeiros menos sólidos). Ele foi alterado duas vezes, em 1947 (quando foi apresentada a série LV105 que o sucedeu) e um pouco depois, quando o LV105 foi substituído pela série de caminhões L20. Porém, as mudanças foram pequenas.

Devido à popularidade dessa geração de caminhões e componentes, quando ela foi suplantada pela série de caminhões L34, o chassi e os componentes dos caminhões L20 continuaram sendo usados, mais ou menos sem alterações, mas com um design moderno no capô, no para-lamas e na cabine.

Caminhões Volvo LV15 e LV24

LV15 e LV24

Apesar de ser uma fábrica relativamente voltada para o futuro, a Volvo foi um dos últimos fabricantes a produzir caminhões a diesel. Isso não ocorreu por acaso, mas porque Gustaf Larson, um dos cofundadores da Volvo, foi colega de Jonas Hesselman, o inventor do motor Hesselman, no curso de engenharia.

O primeiro motor a diesel da Volvo...
Segundo o plano original, o primeiro motor a diesel seria apresentado em 1940, mas a Segunda Guerra Mundial atrasou esse processo. O primeiro motor Volvo a diesel foi chamado de 'VDA' ('motor Volvo Diesel tipo A'); era um motor de pré-combustão, como a maioria dos motores a diesel da época. Originalmente, o VDA foi projetado para ter o tipo de injeção de direção mais eficiente.

No entanto, nos testes realizados antes de sua apresentação, foi muito difícil dar partida nessa versão do VDA em baixas temperaturas. Assim, para garantir a confiabilidade ideal e uma longa vida útil, uma nova versão com pré-combustão foi introduzida no segundo semestre de 1946, que logo tornou-se o caminhão mais popular na Suécia.

...e os primeiros caminhões a diesel da Volvo
A série de caminhões LV15 era bastante semelhante aos caminhões "Roundnose" a gasolina, originalmente apresentados nas versões com motor a gasolina em 1939/40. Porém, o motor a diesel, maior e mais pesado, precisava de um capô mais longo, o que facilitou a diferenciação entre os caminhões a diesel e os caminhões "Roundnose" com motores a gasolina e Hesselman.



Embora tivesse potência de apenas 95 bhp (100 bhp a partir de 1949), a série de caminhões LV15 (e a série L24, com aparência semelhante, que a sucedeu) era capaz de realizar transportes pesados, inclusive na construção e em operações de longa distância, às vezes até com modelos de três eixos e com um reboque.

Introdução da injeção direta
Um passo importante (em termos de motor) foi dado em 1950, quando o motor VDA com câmara de pré-combustão foi substituído (inicialmente como uma opção com custo levemente maior) pelo motor VDC de injeção direta, que proporcionava um consumo de combustível muito melhor. Esse motor é muito parecido com o ancestral dos eficientes motores Volvo a diesel usados atualmente em caminhões, ônibus e aplicações náuticas (de fato, o motor VDC foi usado em todos esses projetos, além de outros veículos da Volvo, como tratores raspadores!).

As séries de caminhões LV15/L24 foram substituídas pelo caminhão L38/Viking em 1953.

Caminhões Volvo Roundnose

O "Roundnose"

A década de 1930 foi um período de muita expansão na história da Volvo Caminhões. De um início muito modesto, com caminhões antiquados, o portfólio de produtos expandiu-se com veículos modernos, motores muito eficientes e enormes cargas úteis, às vezes com mais de dois eixos.

Visual semelhante; aplicações de transporte diferentes
Os "Roundnose" consistiam um grande número de caminhões que pareciam semelhantes, mas abrangiam diversas aplicações de transporte. À primeira vista, eram muito parecidos mas, na verdade, muito diferentes. A dianteira, por exemplo, estava disponível com pelo menos três comprimentos nitidamente diferentes, sendo que dois deles estavam disponíveis nos modelos anteriores com motores a gasolina (ou Hesselman ou a gás).

Atualmente, o visual parece exclusivo. A verdade é que a aparência dos caminhões "Roundnose" foi muito influenciada pelo estilo dos caminhões americanos, britânicos e alemães da época. Isso não é surpresa, já que na década de 1930 o design era uma parte importante do produto, e as modas se espalhavam de um país para outro, afetando o design de quase todas as marcas de caminhões de praticamente todos os fabricantes.

A principal escolha do exército... e de outros
A entrada dessa série de caminhões não era muito promissora. A apresentação da primeira versão ocorreu no final de 1939, simultaneamente ao início da Segunda Guerra Mundial. Por isso, a venda de caminhões civis logo caiu muito. Felizmente, apareceram mais clientes militares, e a Volvo tornou-se o principal fornecedor das forças armadas suecas. Durante a Segunda Guerra, foram entregues milhares de caminhões "Roundnose" no modelo padrão, com design simplificado, e também com tração em todas as rodas.

Após esse período, essa família de caminhões fez muito sucesso. Foram vendidas mais de 10.000 unidades da série mais bem-sucedida, a "série LV125", um número enorme para a época, quando o caminhão era aceito, mas estava longe de ser o principal meio de transporte (as ferrovias ainda tinham um papel fundamental).

Ampla variedade de potência e força
Apesar da aparência muito semelhante, a potência e a força dos caminhões "Roundnose" variavam muito. O motor básico era modesto, com válvula lateral, de até 90 hp, enquanto os motores a gasolina com válvulas no cabeçote produziam até 105 bhp. Normalmente, havia opções Hesselman que usavam o combustível de petróleo mais barato, embora tenham sido usados motores a gás durante a Segunda Guerra Mundial, que proporcionavam desempenho muito limitado, mas eram capazes de operar mesmo quando havia petróleo disponível apenas para o uso (militar) mais necessário.

No todo, essa série de caminhões foi produzida de 1939 a 1954, ou seja, por 15 anos, mais ou menos sem alterações na mecânica, além de modificações de detalhes. Foram produzidos e vendidos mais de 40.000 caminhões "Roundnose", um número significativo se considerarmos o uso limitado dos caminhões naquela época (em comparação com hoje).

Caminhões Volvo TVC

TVC

A Segunda Guerra Mundial foi radical de uma forma específica; pela primeira vez em uma guerra, os carros, caminhões e veículos de combate com autopropulsão (muitas vezes com ótimo potencial off-road) assumiram grande parte da função dos veículos de tração equina utilizados anteriormente.

Veículos modernos para uso militar
A Volvo, sendo uma empresa voltada para o futuro com amplos recursos (para a época), assumiu naturalmente um papel importante no fornecimento de equipamento de transporte para as forças armadas suecas durante o período de 1939 a 1945. Os veículos mais avançados eram o TVA/TVB e o TVC, os três veículos de reboque pesado para a artilharia e as tropas antiaéreas.

O TVC foi o primeiro veículo com tração integral produzido pela Volvo. Era baseado no TVA/TVB, mas com duas grandes modificações: o projeto do tipo forward-control e a inclusão da tração dianteira.

Projetado para todos os tipos de terreno
Como o TVC foi concebido para operar em condições off-road extremas, era natural tentar restringir o comprimento total do veículo e também distribuir o preso bruto do veículo da maneira mais uniforme possível entre os três eixos. Por isso, foi projetada uma cabine muito espaçosa que seria posicionada em cima do motor, proporcionando também a visão ideal para o motorista e o restante da tripulação, além de outros recursos avançados desse caminhão exclusivo com tração integral.

A ampla cabine para a tripulação era absolutamente necessária nesse veículo, pois seu objetivo não era apenas carregar artilharia pesada e armas antiaéreas, mas também levar toda a tropa para o local em questão. O design do chassi era praticamente idêntico ao do TVA/TVB, baseado em um tubo central e eixos independentes, com as seis rodas acionadas e equipadas com grandes pneus off-road.

Um serviço de longo prazo
O motor do TVC era idêntico ao do predecessor TVB, um motor a gasolina de 7,6 litros com 140 bhp. O TVC tornou-se bastante popular por suas aplicações propostas e tinha mobilidade muito boa em qualquer tipo de terreno, apesar de ser pesado na frente, o que às vezes fazia as rodas afundarem em terreno macio, uma desvantagem que era compensada pela excelente tração nos dois eixos de direção traseiros.

O TVC foi usado pelas forças armadas suecas por muito tempo. Ele foi alterado mais de uma vez, por exemplo, com o aperfeiçoamento da cabine, com janelas maiores e uma visão ainda melhor para a tripulação. O motor 'FBT' também foi substituído por um motor de 10 litros a gasolina extremamente potente, desenvolvido a partir do motor a diesel usado no caminhão de carga pesada 'L39 Titan'.